quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

manhãs:

buzinas espremidas em contornos estreitos. sono suspenso. em outra quadra o atraso do sangue incomoda a seringa e a moça que não sei se é enfermeira.
promessas da manhã são esquecidas, resgatadas por outros organismos apressados, vivos, reféns do tempo que adianta o barulho, o medo

Nenhum comentário:

Postar um comentário