segunda-feira, 18 de abril de 2011

rupoestrysmos (rintrah)

rupoestrysmos


só a Autofagia pode nos unir. pansamentos.
to π or not to π that is the question
¿cogito? pensa-se. logo, o pensamento existe.
eusgoísmo. só me interesso por mim mesmo. Autofagia.
(¿) queuremos a Insurreição Autofágica (?). maior que os matriarcados, que as humanidades e as religiosas apropriações das coletividades sobre mim. devoradora da cultura. o mundo pára. daí a descer ileso...
filiação. não, obrigado. mas há tijolos de vapor, no instituinte. a argamassa: a Vontade. a edificação: colunatas para a Liberdade.
“!paradoxo!”

 - !pindoraxo! – eu gritamos

acalmemo-nos...
de acordo: ociosidade é preciosidade:
!eu somos prociosidade!
porraaaaaaaaaa!!!!! como naum vc sabe mt bm sempre a fronteras+fronteras d++++++++
sigamos. ao futuro da circunferência.
duvidando de pirron, há espaço até para as velas portuguesas, ardendo num mar de fogo.
o Anel segue girando na iridescente brida da Vontade. pró grés só mesmo. do batismo à extrema-unção. o pó.
entaladxs de Vontade, explodem belos floreios argumentativos. dentro e fora a lata de sardinha cheira à cultura.
¿Autofagia?
se há ócio há tempo para criticar as utopias que não lhe consideraram bem a etimologia: nem patriarcalismos  nem matriarcalismos. não é preciso césar, quando todos os vizinhos são napoleão. a cípride não sabia nadar e o Filho partiu dessudariado. !basta! sem guaracis. é tudo próprio ou pertencente aos eus: de eus. d’eus. deus. quanto à Lúcifer e os anjos, que discurse o Ilogismo.
¿quem sabe um intersexanarcado? é preciso apropriar-se desta portion of Soul discerned by the Five Senses.
caminhamos, assim, para a Liberdade. via Vontade. Autofagia.
the Worlds of Thought seguem para Jerusalém, andarilhiando por charleville. antes, uma representação tipicamente alemã.
ouço primitivismos associados à natureza (?), aos instintos (?)
vejo o Pensamento:
sociedade X natureza. !adiau! cultura X cultura.
¿fim da hierarquia? arendt é pouco persuasiva quanto à persuasão. é preciso levar a desordem ao Discurso, para fugir-se às apropriações subreptícias da fala.
a verdadeira associação: testa a testa. cruzemos a alsácia-lorena.

rupoestrysmos. por lascaux, são raimundo nonato e, ¿por que não?, um mergulho no meuse. youtrx.
talvez caiba algo ao cobre, numa clarinada. ou à madeira, luthierizada, em concerto:
¿aonde se captura o pensamento? no pronunciamento discursivo
¿onde está o interlocutor?... !pronunciando!
apenas neste rasgo-respaldo-fragmentário podem ser abarcados.
¿je est un autre? youtrx.
rupoestrysmos atingidos agora. se há meta, é instituinte. Liberdade. Vontade. !Autofagia!
desregramento exaustivo proposital. Videntrilho. nos desertos, na floresta, em tebanos montes, stonehenge, ou mesas lionesas.
é preciso cinicar, rumo à conquista da solidão: ouvir a jazz-sinfônica do silêncio. chega de traduzir a balbúrdia: de Iesu querida... das Alegrias...
é preciso conquistar a Língua. ou se aguarde a telepoetia.

na anarquia alquímica da linguagem, soçobrando o controle, nós indaguei os fundamentos da moral.
o Poesta Rupestre pode forjar o mundo, como os gigantes de outrora, não precisando de paz com seus vizinhos, mas de Força.
impõem-se, todavia, algumas éticas de Egoístas, até a Autofagia.
não há outra possibilidade para a Liberdade.
Vontade. Autofagia.
¿e espreitando, livre, a porta atrás da Vontade?
“Contra a memória fonte do costume.”
¿Autofagia?


rintrah
youtrx
ano Laranja

3 comentários:

  1. essa Tua vontade tem Ira e Amizade, não é dual nem monada, Grande, bela e Ornamental sua fala, que como você disse tem um especial carinho e dono. Tô certo?!

    ResponderExcluir
  2. Allex! esse manifesto é todo do Rintrah, o mendigo visionário.

    ResponderExcluir
  3. Dizem que o grande mal do século é a depressão... Grande equívoco! Nosso mal é o "mal de Montano". mal para o qual não se tem cura, a não ser mergulhar nele mesmo... é como pharmakón em grego: remédio e veneno...

    ResponderExcluir