sábado, 19 de março de 2011

microconto: sem dias

o frio dos corredores sempre promoveu náuseas, dessa vez não fora diferente. O apelo que percorreu anos era pó, medo e meia garrafa de água parada quase sem gás, quase sem vida como o corpo pequeno de rugas. dentro do livro uma expressão grifada, berçario no limbo, alargava o desespero que antecipava a queda do corpo em uma eterna vala de formigas. quanto choro gritado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário