quinta-feira, 31 de março de 2011

Microconto: caderneta de contas

No caminho pequeno de passos abertos não tinha ruínas nem poeira, um cachorro sorria em febre e a ideia do sorvete alegre agitava os sonhos da manhã. Foi velha, comeu romã ensolarada e não entendia nada de morrer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário