sábado, 19 de março de 2011

CEAFRO lança na próxima 4ª feira, (23/3), uma campanha estadual contra a violência às mulheres negras baianas




O CEAFRO, um programa de extensão do Centro de Estudos Afro-Orientais (CEAO) da Universidade Federal da Bahia (UFBa), lança na próxima 4ª feira, (23/3), às 9 horas, uma campanha estadual contra a violência às mulheres negras baianas. A medida visa chamar a atenção da sociedade civil e órgãos públicos para o grave cenário de agressão em que vivem as mulheres negras; fortalecer a imagem das mulheres negras em suas lutas contra as distintas formas de violência, que se dão no âmbito doméstico, intra-familiar ou no acesso aos serviços e nos processos de defesa. O lançamento ocorrerá na sede do CEAO/CEAFRO, localizada no Largo Dois de Julho.
Pesquisas, como a da Fundação Perseu Abramo, fazem o alerta: a cada dois minutos, nada menos do que cinco mulheres são agredidas no Brasil, onde diariamente uma média de 10 mulheres são assassinadas. Se não bastasse, nos últimos 12 meses, 1 milhão e 300 mil mulheres, com mais de 15 anos, foram agredidas. Já o serviço Ligue 180, uma Central de Atendimento à Mulher, da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM/PR), informa: de janeiro a dezembro de 2010 foram registrados 734.416 atendimentos, um aumento de 82,8% em relação a 2009 (269.977). Ainda segundo a SPM/PR, 47% das usuárias dos serviços de atendimento a vítimas de violência - que em 2010 chegou a 5.302 - possuem nível fundamental de escolaridade. Dessas, 51,7% têm idade entre 20 e 35 anos; e 58,3% se declaram pardas ou pretas. Ainda segundo a SPM/PR, o Estado da Bahia ocupa o desconfortável 3º lugar em número de atendimentos do Ligue 180.
A iniciativa do CEAFRO faz parte do projeto Encruzilhada de Direitos - raça, gênero e enfrentamento à violência contra as mulheres negras na Bahia, coordenado pela socióloga Vilma Reis, e desenvolvido há dois anos em 15 territórios baianos, com o apoio da SPM/PR e da Superintendência de Políticas para as Mulheres da Secretaria Estadual de Promoção da Igualdade (Sepromi). No mesmo dia, mulheres desses 15 territórios também estarão lançando a campanha em suas cidades, comunidades e organizações, mobilizando mulheres quilombolas, agricultoras, sindicalistas, universitárias etc.

Nessa primeira etapa da campanha, foram produzidos spots de rádio e tv, que contaram com o apoio da cantora Márcia Short (voz e imagem) e do percussionista Sérgio Othanazetra (trilha sonora); cartazes, marcadores de livros, sacolas, e foi criado um blog. Na segunda fase, serão produzidos outdoors, busdoors e a publicação do “Dossiê da Violência Contra as Mulheres na Bahia”, com dados de uma pesquisa desenvolvida pelo CEAFRO de janeiro de 2009 a março de 2010, nos jornais A Tarde, Correio da Bahia e Tribuna da Bahia.

Participam do lançamento da campanha representantes de organizações de mulheres de Salvador e Região Metropolitana, e de outros Territórios de Identidade; de órgãos públicos, a exemplo da Sepromi, Ministério Público, Defensoria Pública, Varas Especializadas nos casos de Violência contra a Mulher, Delegacias de Atendimento a Mulheres, Casas Abrigo, Centros de Referência, Redes Municipais de Serviços e conselhos municipais de direitos.
A partir da ação da Superintendente de Políticas para Mulheres, Valdecir Nascimento, da Sepromi, foi criada a Rede de Atenção para Mulheres em Situação de Violência, que já atua em 22 dos 26 Territórios de Identidade da Bahia. A rede é formada por diversas instituições públicas e entidades da sociedade civil de mulheres.

 
Vilma Reis – Coord. do Projeto Encruzilhada de Direitos
Tel.: (71) 9994.3749

Ceres Santos – Coord. Executiva do Ceafro

Tel.: (71) 9989.7243

Nenhum comentário:

Postar um comentário