sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Microconto: Cartas de amor

Entre a dor do coração, os barris de um destilado barato, os panfletos de uma revolução antiquada perdia retina, fome, nome. Apertada nos tumultos do asfalto riscado de glitters, sapatos esperou a manhã com um telefone vazio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário