sábado, 6 de novembro de 2010

Microconto: Borrões.

Nas aspirinas engolidas o medo da morte. O rosto fino e moreno do pai parecia mais duro, distante. Recolhi a dor dos fracos. Em vão. Não tinha gavetas no quarto, experimentou os livros. Um punhado de fotos antigas percorria aquele rosto de dor, solidão, beleza que por anos fingiu o descompasso, a alegria. Na volta da cidade das sombras o desapego encontrou feridas duas mulheres

Nenhum comentário:

Postar um comentário